Justiça prorroga prisão de suspeitos de assassinar e esquartejar advogado em Araçatuba

Laís Lorena Crepaldi, de 20 anos, e o namorado dela, Jhonathan Andrade Nascimento, de 21 anos, foram presos depois de confessarem o crime à Polícia Civil.
14/02/2020 07:00 Justiça
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Justiça prorrogou por mais 30 dias a prisão temporária dos dois suspeitos de terem assassinado e esquartejado o advogado Ronaldo César Capelari, de 53 anos, em Araçatuba (SP). O corpo dele foi encontrado no dia 14 de janeiro deste ano dentro de três sacos no bairro Águas Claras.

A jovem Laís Lorena Crepaldi, de 20 anos, e o namorado dela, Jhonathan Andrade Nascimento, de 21 anos, foram presos depois de confessarem o crime à Polícia Civil. Ambos continuam à disposição da Justiça em um presídio da região.

Antes de confirmarem a participação no assassinato, a polícia chegou a prender três homens apontados por Laís. Contudo, ela voltou atrás e afirmou que mentiu durante depoimento para defender o namorado que, até então, não tinha sido preso. O trio teve a prisão revogada e foi liberado.

De acordo com a Polícia Civil, o crime será reconstituído, mas ainda não há data para a ação ser realizada. Alguns laudos já ficaram prontos, mas outros ainda não. Todos serão anexados ao inquérito, inclusive os resultadas da perícia feita com luminol na casa onde o crime foi cometido.

O caso começou a ser investigado depois que a família de Ronaldo procurou a delegacia para registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento.

Duas horas depois, a caminhonete dele foi encontrada com marcas de sangue, em uma estrada de terra, em Birigui (SP).

Outra denúncia anônima levou os policiais militares até o imóvel onde o corpo foi encontrado, na noite do dia 14 de janeiro.

Não havia ninguém dentro da casa, mas Laís, sabendo que a polícia estava à procura da locatária da casa, compareceu na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) para falar sobre o caso, na manhã do dia seguinte.

Segundo a Polícia Civil, ela contou durante depoimento que tinha deixado o imóvel aberto e sabia o que havia acontecido. No entanto, posteriormente, ela confessou que tinha atraído o advogado até o local.

As investigações continuaram e a polícia descobriu a participação do namorado dela, que foi preso por volta da meia noite do dia 16 de janeiro. O jovem confessou que cometeu o assassinato.

Além disso, ele contou que tinha combinado com a namorada de roubar a caminhonete e os pertences do advogado. Contudo, Ronaldo foi atingido por golpes na cabeça assim que que entrou no imóvel.

Então, o casal decidiu matar o advogado e depois esquartejou porque não conseguiu colocar o corpo de Ronaldo para desová-lo.

Fonte: G1

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas, irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do General Salgado News.